Evolução do Mercado de Seguros e dos Planos de Saúde

Conheça a evolução dos Planos de Saúde

Em um passado recente, o mercado segurador era caracterizado pela falta de competitividade, inércia e inexpressividade no contexto econômico nacional. Sua participação no PIB (Produto Interno Bruto) era cerca de 1%, tendo permanecido estagnada por quase uma década.
A falta de conscientização sobre a importância do seguro, a regulamentação minuciosa de todas as tarifas, a falta de liberdade para alteração dos produtos e a instabilidade econômica foram alguns dos fatores que contribuíram para que o desempenho do setor e suas perspectivas futuras não fossem favoráveis.
A partir do Plano Real, em 1994, inicia-se um ciclo de fantástico crescimento no mercado de seguros e planos de saúde. Isso aconteceu em função da estabilização da moeda e da recuperação da credibilidade da economia, que são fundamentais para o crescimento do setor, altamente sensível às variações econômicas.
Outro fator importante foi a abertura da economia, que possibilitou a entrada de grupos seguradores estrangeiros e inaugurou um período de imensa competição e visível melhoria na qualidade dos produtos.
Crescimento do Mercado de Assistência à Saúde Privada no Brasil
A demanda por Planos de Saúde vem crescendo rapidamente no Brasil, em resposta a uma série de fatores como o ambiente macroeconômico favorável, o aumento da criação de empregos formais e de profissionais liberais, crescente poder aquisitivo, envelhecimento da população e um histórico de limitações na qualidade e no acesso a serviços públicos de saúde.
De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a penetração dos Planos de Saúde no Brasil cresceu aproximadamente 50% desde o ano de 2001, alcançando mais de 50,6 milhões de indivíduos em setembro de 2014.
O mercado de assistência à saúde privada no Brasil é regulamentado pela ANS, que edita normas específicas para as modalidades de Planos de Saúde: individual ou familiar e coletivo, que inclui coletivo por adesão e coletivo empresarial. Planos individuais (ou familiares) estão sujeitos a controles regulatórios mais rígidos e as Operadoras que atendem esse mercado sujeitam-se a fortes controles em reajustes de preços.